Sinecarga
Filiado a UGT
Novo Horário de Atendimento: De 2ª à 5ª feira: 8:00 às 17:30 e 6ª feira: 8:00 às 12:00
Notícias

Realidade brasileira debatida em videoconferência da UGT

Realidade brasileira debatida em videoconferência da UGTPublicada - 05/08/2020

 

Utilizada em larga escala pela direção da União Geral dos Trabalhadores (UGT), a videoconferência tem sido uma das ferramentas estratégicas para a comunicação entre as lideranças e segmentos da sociedade. O encontro virtual, realizado na manhã de 04 de agosto, foi aberto pelo presidente nacional da UGT, Ricardo Patah, contou com a participação de dirigentes sindicais de variados ramos de atividades.

A videoconferência, convocada em caráter emergencial em razão do registro de cem mil mortes pelo Covid-19, focalizou as diversas maneiras de enfrentar a gravidade do impacto da pandemia na economia e nas relações sociais.

Categoria destacada na estrutura e na coordenação da UGT, os Bancários desenvolvem atividade de valiosa para a sociedade. Lideranças da classe bancária presidem estaduais da central em cinco estados brasileiros. Ciente dessa importância, Patah saudou Lourenço Prado, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Empresas de Crédito (Contec) e secretário nacional da central. Prado não poderia permanecer na videoconferência e agradeceu o tratamento dedicado à classe e elogiou o trabalho desenvolvido pelas centrais.

DIA NACIONAL DE LUTA - O presidente nacional da UGT exaltou o valor das videoconferências e o quanto vem sendo elemento essencial para o encaminhamento das ações em meio à pandemia do Covid-19. O sindicalista aprova a promoção de atos que estampem a indignação com a morte de 100 mil brasileiros.

Antecipando sugestão de Canindé Pagado, secretário-geral da central, de promover ações com 100 minutos de duração, cada minuto representando 1000 mortos, o Ricardo Patah culpa a incapacidade do governo de preservar empregos e direitos sociais dos que mais precisam da ajuda do Estado.

Pegado criticou a gestão pública pelos equívocos no combate à pandemia, que deveria ser atacada pelos governos desde fevereiro de 2020, quando a presença da doença foi assumida oficialmente.

UGT GAÚCHA DE PRONTIDÃO - Norton Jubelli, presidente da UGT do Rio Grande do Sul, ratificou a participação da central na mobilização para o Dia Nacional de Luta em Defesa da Vida e dos Empregos, convocada pelas centrais sindicais para o dia 7 de agosto. O protesto é contra os desmandos do Governo Bolsonaro.

Em texto conjunto, as centrais propõem uma pauta emergencial em apoio aos setores mais vulneráveis na crise e cobram equipamentos de proteção individual e coletivo para os trabalhadores das categorias essenciais.

Jubelli declarou a certeza de que esse governo em nada ajuda os trabalhadores e condenou o apoio de alguns sindicalistas à proposta antissocial de Bolsonaro. O presidente da UGT gaúcha também reclamou da falta de consulta prévia junto às lideranças da central sobre ações oficialmente assumidas.

VETO INTEGRAL DE BOLSONARO - Presidente da UGT no Distrito Federal e diretor financeiro do Sindicato dos Auxiliares de Enfermagem do Distrito Federal (Sindate-DF), maior sindicato de base da saúde em Brasília, Newton Batista informou que no dia anterior à realização da Life (03/08/2020), o presidente Jair Bolsonaro vetou, na íntegra,  o projeto que prevê o pagamento de indenização de até R$ 50 mil para profissionais de saúde que adquirissem sequela permanente por conta do coronavírus. O projeto acompanha entendimento existente no Supremo Tribunal Federal de que o coronavírus é uma doença ocupacional.

Renato Ilha, jornalista (Fenaj 10.300)